Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Três Milímetros

Quando te conheci tinhas apenas 4 semanas e 3 milímetros. Eu? 1,60 metros, nem penses que vou dizer o peso e 29 anos no cartão do cidadão. A aventura de uma mãe inexperiente a viver a mais avassaladora experiência de todas

Três Milímetros

Quando te conheci tinhas apenas 4 semanas e 3 milímetros. Eu? 1,60 metros, nem penses que vou dizer o peso e 29 anos no cartão do cidadão. A aventura de uma mãe inexperiente a viver a mais avassaladora experiência de todas

O nascimento de uma mãe*

Uma mãe não nasce de repente. Começa a nascer quando imagina que um dia vai ser mãe. Cresce quando a barriga vai crescendo e o bebé se vai tornando mais e mais real a cada ecografia e cada pontapé. Agiganta-se quando vê sair para o mundo aquele que tanto sonhou. Quando o põem em cima da barriga depois do parto. Quando ele mama pela primeira vez. Quando o vê dormir, sereno e lindo, tão seu que até dói no peito este amor tão físico que é todo ele  paixão e medos e entranhas. Agiganta-se todos os dias. Nas conquistas e nas dificuldades, que são muitas, sempre. Uma mãe descobre-se todos os dias numa nuvem enebriante de mudança e de felicidade. Uma mãe ri, chora, volta a rir. E ama todos os dias mais, o coração de uma mãe nao estagna num tamanho, admira-se, estica-se, cresce como se fosse saltar do peito mas nunca salta. Está sempre no sítio certo, sempre onde o seu filho precisa de contar com ele.

 

*ou Uma Mãe em construção

O amor e o medo

Sou tão mais feliz desde que entraste na minha vida. 'Entraste' na minha barriga ao mesmo tempo que entraste no meu coração e cresces num e noutro lado ao mesmo ritmo. Não é só a barriga que tem elasticidade, o coração também tem e é vê-lo aumentar cada dia mais um bocadinho (um bocadinho? Quem é que eu quero enganar? Um bocadão impossível de contabilizar em qualquer calculadora!). Já percebi que a acompanhar o amor, este avassalador amor que ocupou todos os espaços, vem o medo, que um e outro andam de mãos dadas, nesta viagem-para-a-vida que é a maternidade. Já percebi que não há mães sem medo, que ser mãe é também ter medo, mas que o amor - este amor que faz crescer o coração - diz ao medo: 'não te preocupes, vai correr tudo bem'. E vai, meu amor.

Um dia vou ensinar-te que o medo existe, mas não quero que te impeça nunca de voar, se a viagem for destas, destas de aumentar o coração.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub